7 de março de 2016

As Mulheres do Axé e a Microcefalia.





Por: Grupo Ìkórítá



Oxum, o Yèyé ní mó! 
(Oxum graciosa mãe, plena de sabedoria). 

A gestação é divina obra a qual tem como orientadora maior, a nossa Mãe Oxum. No seu colo nasce a gestação e a orientação para o afeto, que cada um deposita naquele novo familiar, que na sua vinda, traz em si, a continuidade da nossa ancestralidade. A mulher grávida tem acesso ao conhecimento que pertence as nossas Mães, que são a dimensão da vida.

Ìyá omi ní ibú. Odò omi rò Òrìṣà ó lé lé

(Mães das águas profundas, das águas dos rios. É o orixá acima da nossa casa)

Ao homem, seu parceiro, se abrirá a face mais serena e profunda do amor de Obatalá a sua criação.
Toda gestação é festejada e celebrada no terreiro, pois é mais um elo que se faz entre a eternidade e a ancestralidade presente no chão da casa, nos ecos dos tambores sagrados e no aconchego dos pais, mães e irmãos que zelam pela religiosidade afro-brasileira. Hoje, o engravidar está sendo acompanhado de felicidade, mas com muita preocupação, para as mães e pais, devido as consequências pela falta de ação efetiva de toda sociedade e governo, na prevenção do Aedes Aegypti, tão conhecido, mas que trouxe à luz, uma doença não tão falada assim – a Microcefalia.
Como povo do axé, percebemos que nossas casas são espaços para a promoção da saúde e cidadania, sendo assim, vamos conhecer um pouco mais da Microcefalia:

A microcefalia é uma doença em que a cabeça e o cérebro das crianças são menores do que o normal para a sua idade, o que prejudica o seu desenvolvimento mental, porque os ossos da cabeça, que ao nascimento estão separados, se unem muito cedo, impedindo que o cérebro cresça e desenvolva suas capacidades normalmente.

A criança com microcefalia pode precisar de cuidados por toda a vida, mas isso é normalmente confirmado depois do primeiro ano de vida e irá depender muito do quanto o cérebro conseguiu se desenvolver e que partes do cérebro estão mais comprometidas. As consequências da microcefalia são: atraso mental, déficit intelectual, paralisia, convulsões, epilepsia, autismo, rigidez dos músculos.




Máa bọ̀ ya, ìyá bọ̀ ya. Omi jẹ́jẹ́ Ominíbú. Máa bọ̀ ya, ìyá bọ̀ ya.

(Frequentemente ela vem ligeira. Mãe das águas calmas, mas das águas profundas. Frequentemente ela vem ligeira).

As causas da microcefalia podem incluir doenças genéticas ou infecciosas, exposição a substâncias tóxicas ou desnutrição, tais como: rubéola, citomegalovírus e toxoplasmose, Zika durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre de gestação, cigarro, álcool ou drogas como cocaína e heroína durante a gravidez, Síndrome de Rett, envenenamento por mercúrio ou cobre, meningite, desnutrição, AIDS, doenças metabólicas na mãe como fenilcetonúria, exposição à radiação durante a gestação, uso de medicamentos contra epilepsia, hepatite ou câncer, nos primeiros 3 meses de gravidez.

Acredita-se que infecções como dengue e febre chikungunya durante a gestação também estejam ligadas à microcefalia. Também é sabido a existência de casos de aborto e natimortos, relacionados à dengue em gestantes, sendo assim, a gestante passa a ser uma população altamente vulnerável ao mosquito, pois a sua infecção poder gerar mais sequelas à mãe e ao bebe.
Os sintomas mais comuns são: febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, perda do paladar e apetite, manchas vermelhas, náuseas e vômitos, cansaço, moleza, dores no corpo e nas articulações.

É necessário cuidarmos de nossos terreiros, evitando a criação ou permanência de criadouros dos mosquitos, com algumas atitudes preventivas tais como: retirar a água parada que se acumula nos vasos das plantas, dos alguidares e todo recipiente que possa acumular água da chuva (latas, caneca, baldes, calhas de telhado, entre outros); tampar os potes, quartinhas e quartilhões. Todas as águas são sagradas, por isso devem ser zeladas com respeito e, quando a acumulamos dentro de nossas casas para uma finalidade sagrada, devemos protegê-las da dengue.

Diagnóstico da microcefalia: pode ser feito durante a gestação, com os exames do pré-natal, e pode ser confirmado logo após o parto através da medição do tamanho da cabeça do bebê. Exames como tomografia computadorizada ou ressonância magnética cerebral também ajudam a medir a gravidade da microcefalia e quais serão suas possíveis consequências para o desenvolvimento do bebê.

Microcefalia não tem cura: porque o fator que impede o desenvolvimento cerebral, que é a união precoce dos ossos que forma o crânio, não pode ser retirado. Se esta união precoce dos ossos acontecer ainda durante a gestação, as consequências podem ser mais graves porque o cérebro pouco se desenvolve, mas existem casos em que a união destes ossos ocorre no final da gestação ou após o nascimento, e neste caso a criança pode ter consequências menos graves.

O Tratamento para microcefalia: não cura a doença, porém ajuda a reduzir as consequências no desenvolvimento mental da criança com o uso de medicamentos que ajudam no seu dia a dia, que atuam diminuindo os espasmos musculares e melhoram a tensão dos músculos. A fisioterapia é indicada e pode ajudar no desenvolvimento físico e mental e por isso quanto mais estímulo dentro da fisioterapia a criança tiver, melhores serão os resultados. Para um bom tratamento, é interessante que a equipe de referência seja formada por pediatra, neurologista, psicólogo, dentista, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo. As casas sagradas das religiões afro-brasileiras são, por excelência, um espaço de escuta e acolhimento às dores da alma e do corpo, para todos que procuram ou para quem vive entre suas paredes. A família do terreiro pode ser um grande suporte a família no tratamento da criança.





O Ministério da Saúde, recomenda que as gestantes: devem ter a sua gestação acompanhada em consultas pré-natal, realizando todos os exames recomendados pelo seu médico; não devem consumir bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de drogas; não utilizar medicamentos sem a orientação médica; evitar contato com pessoas com febre, exantema ou rash cutâneo (manchas vermelhas causadas por infecções ou efeito colateral de medicamentos - são as famosas manchas causadas por sarampo, escarlatina, rubéola e catapora) e outras infecções.

O enfrentamento para a redução dos casos de microcefalia, somente será possível se toda sociedade se envolver nas ações para eliminação dos criadouros do mosquito Aedes Aegypti e, criando medidas de proteção da gestante nos locais de moradia, socialização, trabalho e religião, tais como o uso de repelentes recomendados pelo médico (não vale aquelas receitas caseiras de álcool com cravo – “repelentes naturais”), evitar lugares que tenham muitos casos de microcefalia, pelo menos, neste momento de batalha. Enfim, se informar com os profissionais e agentes de saúde, abrindo as portas de nossas casas e nossos terreiros para consolidação das ações de eliminação e prevenção das doenças relacionadas a dengue, Zika e o chikungunya.




Igbá ìyawó, igbá Ọ̀ṣun. Ó rẹ́wà! Àwa sín ẹki igbá rẹ́wà, rẹ́wà. Igbá ìyawó, igbá Ọ̀ṣun ó rẹ́wà

(A cabaça da noiva é a cabaça de Ọ̀ṣun. Ela é linda! Nós a acompanhamos em aclamação à cabaça que é linda, linda. A cabaça da noiva é a cabaça de Ọ̀ṣun. Ela é linda!)


Texto: Grupo Ìkórítá
Roger Cipó © Olhar de um Cipó - Todos os Direitos Reservados / All Copyrights Reserved



Sites de referência e informações:
www.tuasaude.com
www.combateaedes.saude.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário